Geral

A Cada dia, duas pessoas são Picadas por Escorpião na Cidade.

A Secretaria da Saúde de Piracicaba notificou 553 pessoas picadas por escorpiões no município entre 1º de janeiro e 27 de agosto. O número representa uma média de 2,3 vítimas por dia. Desde 2008, três crianças morreram após serem picadas por escorpião no município, com idades entre 1 e 9 anos.
Em 2016, foram 1.161 ataques do gênero, o que indica a média de 3,1 ataques por dia. A morte mais recente ocorreu na semana passada e teve como vítima um menino de nove anos, morador do Algodoal, que foi atacado após calçar um tênis com um escorpião dentro. Em 2013, uma menina de um ano e dez meses morreu ao ser picada em um dedo enquanto brincava no quintal de casa, no bairro Paulista. Em 2008, a vítima foi um menino de sete anos, também morador do Algodoal, picado dentro de casa.
No município a espécie mais encontrada é o escorpião amarelo (Tityus serrulatus), que representa a de maior preocupação em função do elevado potencial de gravidade do envenenamento. Ainda conforme a prefeitura, o controle químico (aplicação de veneno) não é indicado, visto que a medida não é eficaz para a eliminação dos escorpiões, podendo surtir efeito contrário, desalojando os animais de seus abrigos, podendo causar acidentes. No entanto, a dedetização da casa é importante para eliminar baratas e aranhas, alimentos dos escorpiões.
Os escorpiões se escondem em locais úmidos e escuros, como entulhos, tapetes, pias e tanques, além de túmulos dos cemitérios e margens de rio. Uma das principais formas de prevenção é pela colocação de tela em ralos, vedar as soleiras das portas para impedir que eles venham da rua ou terrenos e não deixar entulho e lixo doméstico exposto, pois esses materiais atraem baratas, e, consequentemente, escorpiões. Outra orientação é tomar cuidado ao manusear sapatos, cobertas e cortinas e mexer em fundo de gavetas.
O Ipplap (Instituto de Pesquisa e Planejamento de Piracicaba) contabilizou o número de pessoas picadas por animais peçonhentos em Piracicaba entre 2000 e 2015. No período os escorpiões fizeram o maior número de vítimas de picadas (5.755). Na sequência estão as abelhas (2.327), aranhas (882) e serpentes (124).
ANTÍDOTO — A Santa Casa de Piracicaba é o único hospital da região (de referência) que faz o atendimento de pacientes vítimas de picadas de animais peçonhentos. A prefeitura informou que não considera ampliar o atendimento para outras unidades. “Tecnicamente não seria viável, considerando-se a frequência de acidentes desse tipo e o estoque disponível para o município. Portanto, centralizar esse atendimento traz melhores resultados”, informou.
A picada por escorpião leva à dor no local, de início imediato e intensidade variável, com evolução na maioria dos casos. Crianças podem apresentar manifestações graves, como náuseas e vômitos, alteração da pressão sangüínea, agitação e falta de ar. No caso de ataque por escorpião, deve-se procurar imediatamente atendimento médico e não passar nada na picada, apenas lavar com água e sabão e fazer compressas de gelo. O escorpião deve ser conservado, mesmo que morto, pois precisará ser apresentado no hospital para que o médico determine o antídoto correto para aquela espécie.

 

Deixe um comentário